quinta-feira, 20 de Novembro de 2008

Alguns pensamentos de Montessori

"Um dia, encontrei, no terraço, crianças que tinham transportado, para aí, mesas e cadeiras, como para instalarem uma escola ao ar livre. Havia algumas que brincavam ao sol; outras permaneciam sentadas em círculo, à volta de mesas cheias de escritos e quadros de esmeril; à sombra duma chaminé, a orientadora, sentada, tendo nos joelhos uma caixa comprida e estreita, cheia de bilhetinhos e na qual mergulhava uma multidão de mãozitas... Um outro grupo estava muito ocupado a ler, abrindo e dobrando, sem cessar, os bilhetes. `Talvez não me acredite - diz-me a orientadora - mas há bem uma hora que estou aqui, e eles ainda acham pouco.'Fizemos a experiência de levar, para o terraço, bolas e bonecas, supondo que, assim, distrairíamos a sua atenção, mas sem nenhum resultado: as crianças continuaram a ler - as futilidades desapareciam ao lado da alegria de saber."
(Maria Montessori, Pédagogie Scientifique)
"[Em cada educando] há uma criança desconhecida, um ser vivo sequestrado, que é necessário libertar. Esta é a primeira tarefa urgente da educação e libertar é, neste sentido, conhecer, descobrir o ignorado."
(Maria Montessori, L'enfant)
"O ambiente do adulto não é ambiente de vida para a criança, mas sobretudo uma acumulação de obstáculos que a fazem desenvolver defesas, adaptações deformantes, em que se torna vítima de sugestões. A partir desta realidade exterior, foi estudada a psicologia da criança e ponderadas as características para sobre elas se construírem as bases da educação. A psicologia infantil deve, pois, ser radicalmente reexaminada. Por todas as razões apontadas, cada resposta estranha da criança corresponde a um enigma que deve ser decifrado, cada capricho constitui o aspecto exterior de algo profundo que não se pode interpretar como conflito superficial, defensivo, contra um ambiente inadequado, mas como expressão de uma característica superior, essencial, que procura manifestar-se. É como se uma tempestade, uma borrasca, impedisse o espírito da criança de, saindo do seu oculto refúgio, surgir no exterior."
(Maria Montessori, L'enfant)
Artigo de Albano Estrela na EDUCARE: